28 Jan 2020 Reportagem Ecosystems and Biodiversity

Biodiversidade em perigo: o que podemos fazer em 2020?

Photo by Flickr

Tomar medidas para conter a perda de biodiversidade foi o foco de vários eventos, relatórios e atividades em janeiro, lembretes importantes de que 2020, o “Grande Ano” da natureza, é uma oportunidade real para impedir e reverter a devastação ecológica.

Enquanto todos os dados nos dizem que o planeta está esquentando a um ritmo insustentável, Elizabeth Maruma Mrema, Secretária Executiva da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, adverte que “se os líderes mundiais não puderem alcançar um acordo este ano para parar a extinção em massa da vida selvagem e a destruição de ecossistemas que sustentam a vida, a humanidade terá desistido do planeta Terra ".

Mrema estava discutindo um desafio importante para os líderes globais este ano: como planejar melhor e implementar medidas para evitar a perda de biodiversidade e colocar o desenvolvimento em um caminho sustentável na próxima década.

O “rascunho zero” do texto da Convenção sobre Diversidade Biológica pós-2020, quadro global de biodiversidade foi divulgado ao público no dia 13 de janeiro de 2020.

"O documento inicia a discussão de um novo e ambicioso plano para a natureza para os próximos 10 anos e mais", diz Max Gomera, Especialista do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

“Foi escrito levando em consideração pontos de vista e informações reunidas em consultas realizadas em todo o mundo. O plano permite que uma grande variedade de organizações, pessoas e instituições participe da construção de um futuro em harmonia com a natureza. Também propõe uma estrutura sólida para monitorar os países no cumprimento de suas obrigações”.

Após uma série de sessões de trabalho ao longo do ano, a adoção final está prevista para o final de outubro de 2020 em Kunming, China.

A necessidade de ação urgente foi reforçada em um relatório amplamente lido do Fórum Econômico Mundial, intitulado Natureza em risco crescente: por que a crise da natureza é importante para os negócios e para a economia.

Pela primeira vez na história da pesquisa, lista os cinco principais riscos como todos ambientais:

  • eventos climáticos extremos
  • fracasso da mitigação e adaptação às mudanças climáticas
  • grandes desastres naturais
  • grande perda de biodiversidade e colapso do ecossistema
  • danos e desastres ambientais causados ​​pelo homem

O relatório discutiu o impacto das perdas de biodiversidade de forma assertiva: “A atual taxa de extinção é dezenas a centenas de vezes superior à média dos últimos 10 milhões de anos, e está acelerando. A perda de biodiversidade tem implicações críticas para a humanidade, desde o colapso dos sistemas de alimentos e saúde até a ruptura de cadeias de suprimentos”.

 

Photo by Carl Beierkuhnlein
Foto de Carl Beierkuhnlein

Um recente sinal de esperança de uma mudança de atitudes global é o apelo dos deputados ao Parlamento Europeu por metas vinculativas no nível global e da União Europeia.

Uma resolução adotada por voto aberto exortou os negociadores a participarem do processo de redação de Kunming para reunir metas juridicamente vinculativas com cronogramas, indicadores de desempenho e mecanismos de monitoramento baseados em padrões comuns.

O parlamento da União Europeia quer que o bloco dê o exemplo, garantindo que pelo menos 30% de seu território consista em áreas naturais; restaurando ecossistemas degradados até 2030; levando em conta os objetivos de biodiversidade em todas as políticas da UE; e reservando um mínimo de 10% do orçamento de longo prazo de 2021-2027 para esforços para melhorar a biodiversidade.

 

Para imprensa, por favor entre em contato:

Roberta Zandonai, Gerente de Comunicação Institucional, PNUMA, [email protected]