08 Jun 2020 Notícia

Novo relatório da ONU alerta para a importância das gramas marinhas em Dia Mundial dos Oceanos

Nairóbi, 8 de junho de 2020 – Os prados de gramas marinhas são uma poderosa solução climática baseada na natureza e ajudam diversas comunidades vulneráveis, como as mais atingidas pela pandemia do COVID-19, mas esses importantes ecossistemas continuam em declínio. Um novo relatório, intitulado Out of the Blue: O Valor das Gramas Marinhas para o Meio Ambiente e as Pessoas, lançado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), juntamente com o GRID-Arendal e o Centro de Monitoramento do PNUMA para a Conservação Mundial (UNEP-WCMC), destaca a importância desses ecossistemas para nós.

Eles estão entre os habitats costeiros mais comuns da Terra, cobrindo mais de 300.000 km2 e passando por pelo menos 159 países. Eles nutrem os peixes, enfraquecem as tempestades e prestam vários outros serviços às comunidades costeiras. São ecossistemas biologicamente ricos e altamente produtivos, servindo como valiosos berçários para mais de 20% dos 25 maiores pesqueiros do mundo. Além disso, eles filtram patógenos, bactérias e a poluição da água do mar e abrigam algumas espécies ameaçadas de extinção, como dugongos, cavalos-marinhos e tartarugas marinhas.

Estima-se, porém, que há, anualmente, uma redução de 7% desses habitats em todo o mundo e que pelo menos 22 das 72 espécies de gramas marinhas conhecidas estão em declínio. Desde o final do século 19, perdemos quase 30% desses ambientes em todo o mundo. As principais ameaças aos prados de gramas marinhas incluem o escoamento urbano, industrial e agrícola, o desenvolvimento costeiro, a dragagem, a pesca e a navegação irregulares e as mudanças climáticas.

O relatório, lançado no Dia Mundial dos Oceanos, conclui que os ecossistemas de gramas marinhas desempenham um papel importante no combate à crise climática. Embora cubram apenas 0,1% do fundo dos oceanos, esses ecossistemas são eficientes reservatórios de carbono e armazenam até 18% do carbono oceânico do mundo. Os países que pretendem colaborar com o Acordo de Paris podem incluir a proteção e restauração das gramas marinhas em suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) para ajudar a reduzir a retenção de calor através do dióxido de carbono solto na atmosfera.

"É importante preservarmos a saúde desses ecossistemas – que fornecem alimentos e meios de subsistência para milhões de pessoas, apoiam uma rica biodiversidade e servem como uma das mais eficientes reservas de carbono do planeta – para garantirmos a saúde da vida marinha e das pessoas em todo o mundo", disse a Diretora da Divisão de Ecossistemas, Susan Gardner. "As gramas marinhas são uma poderosa solução para o desafio climático e o desenvolvimento sustentável baseada na natureza".

À medida que a comunidade global trabalha para se recuperar melhor e fortalecer as economias e as sociedades devastadas pela pandemia, devemos preservar e restaurar os ecossistemas de gramas marinhas para termos uma maneira eficaz de proteger as cadeias alimentares e criar empregos em setores como pesca e turismo.

O bem-estar das comunidades humanas em todo o mundo está intimamente ligado à saúde desses ecossistemas. Na Tanzânia, seu declínio teve um impacto negativo nos meios de subsistência das mulheres que coletam invertebrados dos prados de gramas marinhas, como amêijoas, caracóis e ouriços-do-mar. No Atlântico Norte, eles abrigam o bacalhau-do-atlântico, uma das espécies mais pescadas por frotas de mais de uma dúzia de nações. Além disso, as gramas marinhas também fazem parte da estrutura cultural de muitas comunidades insulares. Nas Ilhas Salomão, por exemplo, os pescadores torcem as folhas de gramas marinhas e pedem aos espíritos por boa sorte.

“As gramas marinhas são ecossistemas incríveis em nossos oceanos e proporcionam muitos benefícios para as pessoas em todo o mundo. No entanto, enquanto outros ecossistemas aquáticos atraem mais atenção, elas permanecem pouco valorizadas. O relatório Out of the Blue mostra como elas ajudam as pessoas a prosperarem e proporcionam um ambiente natural saudável do qual todos dependemos”, disse a pesquisadora de gramas marinhas da GRID-Arendal e principal editora do relatório, Dra. Maria Potouroglou.

Apesar de sua importância, novos dados sugerem que elas estão entre os habitats costeiros menos protegidos do mundo. Apenas 26% desses ambientes registrados se enquadram como Áreas Marinhas Protegidas (AMPs), em comparação com 40% dos recifes de coral e 43% dos manguezais.

“As gramas marinhas podem nos ajudar a resolver nossos maiores desafios ambientais. Elas purificam a água, protegem-nos de tempestades, servem de alimento para milhões de pessoas, apoiam a rica biodiversidade e são eficientes reservas de carbono. À luz de todos os benefícios que elas trazem para as pessoas e a natureza, é vital protegê-las e restaurá-las”, disse o Representante Permanente das Nações Unidas e Embaixador das Mudanças Climáticas da República das Seychelles, Ronald Jumeau.

Conservar e restaurar os prados de gramas marinhas pode contribuir com até 10 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, bem como com o Acordo de Paris e a Convenção sobre Diversidade Biológica.

 

MAIS INFORMAÇÕES

Sobre o GRID-Arendal

O GRID-Arendal foi criado em 1989 para apoiar o desenvolvimento sustentável, juntamente com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e outros parceiros. O GRID-Arendal transforma dados ambientais em produtos de informação confiáveis, embasados cientificamente e entregues por meio de ferramentas de comunicação inovadoras e serviços de capacitação.

Sobre o PNUMA

O PNUMA é a principal voz global em temas ambientais. Ele promove liderança e encoraja parcerias para cuidar do meio ambiente, inspirando, informando e capacitando nações e pessoas a melhorarem a sua qualidade de vida sem comprometer a das futuras gerações.

Sobre o UNEP-WCMC

O Centro de Monitoramento do PNUMA para a Conservação Mundial (UNEP-WCMC) é um centro global de excelência em biodiversidade que opera através da colaboração entre o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e a instituição de caridade WCMC. O UNEP-WCMC trabalha na interface entre ciência, política e prática para ajudar a enfrentar a crise global do meio ambiente.

Para imprensa, por favor entre em contato

Roberta Zandonai, Gerente de Comunicação Institucional, PNUMA, [email protected]