15 Nov 2019 Reportagem Químicos e resíduos

Protocolo de Montreal mira novos desafios após 30 anos de sucesso

 

O Protocolo de Montreal para a proteção da camada de ozônio da Terra é o único acordo ambiental das Nações Unidas a ser ratificado por todos os países do mundo. É também um dos mais bem-sucedidos. Com as partes do Protocolo eliminando 98% das substâncias que destroem a camada de ozônio, cerca de dois milhões de pessoas são salvas do câncer de pele todos os anos.

Após a trigésima primeira reunião das partes em Roma, de 4 a 8 de novembro, Stephanie Haysmith, oficial de comunicações do Secretariado do Ozônio, explicou por que o Protocolo de Montreal foi tão bem-sucedido e o que está por vir para o tratado.

Em 2019, o buraco de ozônio foi registrado como tendo o menor tamanho desde a sua descoberta. Como ocorre a reparação do ozônio e quanto tempo leva?

O Protocolo de Montreal foi bem-sucedido na redução de substâncias destruidoras da camada de ozônio e de substâncias reativas como o cloro e o bromo na estratosfera. Como resultado, a camada de ozônio está mostrando os primeiros sinais de recuperação. Espera-se que a camada de ozônio retorne aos níveis anteriores aos anos 80 até a metade do século XXI e o buraco de ozônio na Antártica por volta dos anos 2060. Isso ocorre porque, uma vez liberadas, as substâncias que destroem a camada de ozônio permanecem na atmosfera por muitos anos e continuam causando danos. O buraco de 2019 é realmente o menor desde que começamos a registrar o seu tamanho em 1982, mas o ozônio também é influenciado pelas mudanças de temperatura e dinâmica na atmosfera pelas mudanças climáticas. Em 2019, a estratosfera estava particularmente quente durante o inverno e a primavera na Antártica.

A Emenda Kigali, que entrou em vigor em janeiro de 2019, exige que os países limitem o uso de hidrofluorcarbonetos em refrigeradores e aparelhos de ar condicionado por mais de 80%. No entanto, há uma demanda crescente por refrigeração. Como as duas necessidades podem ser atendidas?

Embora exista uma demanda global crescente por sistemas de refrigeração para o bem-estar pessoal e no setor comercial, será necessário melhorar a eficiência energética e reduzirsignificativamente o potencial de aquecimento global para atender às necessidades e minimizar os impactos adversos no clima e no meio ambiente. A pesquisa e o desenvolvimento seguiram essas tendências, o design do equipamento mudou e melhorou com a eliminação progressiva das substâncias destruidoras da camada de ozônio.

Na reunião de Roma, as partes foram informadas de um aumento inesperado nas emissões globais de triclorofluorometano, ou CFC-11. Por que e como planejamos tratar esse problema?

A questão das emissões inesperadas de CFC-11 foi trazida à atenção das partes em 2018. As emissões globais de CFC-11 aumentaram no período após 2012. Essa tendência inesperada sugere que há produção e consumo ilegais de CFC-11. As fontes exatas dessas emissões ainda não foram encontradas. As partes levam isso muito a sério e foi tomada uma decisão na MOP30 (30ª Reunião das Partes do Protocolo de Montreal) de cooperar em pesquisas científicas adicionais. Além disso, as partes avaliarão os mecanismos de monitoramento do Protocolo de Montreal e do Fundo Multilateral.

O que se entende por "cadeia de frio sustentável" e como ela contribui para reduzir a perda de alimentos?

Uma cadeia de frio é um conjunto conectado de instalações com controle de temperatura (casas de embalagem, câmaras frigoríficas, transporte refrigerado etc.) que garantem que alimentos perecíveis mantenham sua frescura e qualidade durante o transporte. O acesso à cadeia de frio permite que os produtores locais se conectem com mercados de alto valor local, nacional e internacionalmente. O armazenamento e transporte em ambientes de temperatura controlada de mercadorias não apenas garante qualidade e segurança do alimento, mas reduz a perda geral, melhorando os ganhos econômicos e aumentando a sustentabilidade.

Do ponto de vista ambiental, é importante que a crescente demanda por cadeias de frio seja sustentável com o aumento do uso de combustíveis verdes, eficiência energética e tecnologias com potencial de aquecimento global baixo ou nulo.

O que você espera que o Protocolo de Montreal inspire?

O Protocolo de Montreal é um dos tratados ambientais mais bem-sucedidos do mundo e, desde sua adoção, incentivou os países a se comprometerem com a eliminação gradual da produção e do consumo de substâncias que destroem a camada de ozônio. As partes do Protocolo concordaram em tratar dessa questão ao perceberem que as alternativas, conhecidas como hidrofluorcarbonos, são potentes gases de efeito estufa que contribuem para o aquecimento global. Após discussões prolongadas, em 2016 as partes adotaram a Emenda Kigali. Esta parceria global, o envolvimento das partes interessadas e o comprometimento geral dos países levou ao sucesso do regime de proteção do ozônio. Espera-se que uma redução gradual bem-sucedida de hidrofluorcarbono evite até 0,4°C de aumento da temperatura até 2100, enquanto protege também a camada de ozônio.