18 Dec 2019 Reportagem Florestas

Como sobreviver quando a chuva e as florestas estão diminuindo?

Photo by UN-REDD Programme

Meios de subsistência alternativos

"Este ano, vimos a pior seca de todos os tempos", diz Julliette Machona. “Normalmente, os rios secam nesta parte sul da Zâmbia em julho, mas este ano eles já estavam vazios em maio. A pouca água que nos resta é suficiente para as pessoas e o gado. Não temos água para cultivar”.

image
Foto do Programa UN-REDD

Machona tem 35 anos e quatro filhos. Quando ela terminou o ensino médio na Zâmbia, seus pais não tinham condições de enviá-la para a universidade a um custo de cerca de US$ 2.000 por ano, principalmente porque o salário mínimo é de cerca de US$ 100 por mês. Percebendo as dificuldades crescentes de ganhar a vida cultivando tomates e milho em uma região que já recebe menos do que a média de chuva, ela reuniu um grupo de mulheres chamado Tubeleke, que significa "vamos trabalhar juntos", e começaram a tecer cestas e vassouras. O negócio não estava indo muito bem até 2015, quando a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) interveio para apoiar o Departamento Florestal da Zâmbia através do Forest and Farm Facility (FFF), uma parceria entre a FAO, o Instituto Internacional para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, a União Internacional para a Conservação da Natureza e o AgriCord. O FFF é uma iniciativa para paisagens resilientes ao clima e meios de subsistência aprimorados, com foco no fortalecimento das organizações de produtores florestais e agrícolas.

image
Foto do Programa UN-REDD

“Ajudamos o grupo com vários treinamentos para desenvolver sua capacidade em áreas como desenvolvimento de negócios, boa governança, gerenciamento de recursos e aprimoramento na fabricação de cestas”, afirma Vincent Ziba, Facilitador Nacional do FFF. "O apoio da parceria é complementar à implementação do REDD+. No caso do grupo de tecelagem de cestas, o vínculo com REDD+ é a abordagem de gerenciamento da paisagem através da colheita sustentável de materiais de cestas e envolvendo os produtores no gerenciamento de recursos. Isso levou ao desenvolvimento de uma renda sustentável e diversificada”.

"Olhe para a minha casa de tijolos", diz Machona. "Foi assim que as coisas mudaram para mim. Além disso, nossa associação agora tem 27 famílias que se beneficiam com a confecção de cestas e, como grupo, diversificamos nossa renda também através de outras atividades”. Machona e seu grupo começaram a criar coelhos, porcos e ovelhas, uma ideia que veio da FFF e da FAO, que apoiaram viagens à Tanzânia e Benin, onde Juliette aprendeu sobre a criação de animais. Agora ela está produzindo ração para o cultivo de soja e de girassóis, especialmente de espécies que não precisam de muita água.

Uma cesta leva dois dias para ser feita: um dia para coletar o bambu e um dia para fazê-la. Elas podem vendê-la no mercado local por US$ 3. Agora eles também estão tentando plantar bambu para colher os materiais da cesta de maneira sustentável.

image
Foto do Programa UN-REDD

"Para combater as mudanças climáticas, precisamos participar de atividades que não dependem muito de florestas ou chuva, e é nisso que estamos trabalhando todos os dias", diz Machona.

 

Para imprensa, por favor entre em contato com:

Roberta Zandonai, Gerente de Comunicação Institucional, PNUMA, [email protected]