Promovendo a eficiência de recursos

O uso insustentável e ineficiente dos nossos recursos tem ampliado a degradação ambiental, a mudança do clima, a escassez de recursos, a geração de resíduos e a poluição do ar, água e solo, que afetam negativamente o bem-estar dos seres humanos e dos ecossistemas.

A transição global para padrões sustentáveis ​​de consumo e produção é necessária para combater essas disparidades persistentes e assegurar a prosperidade para todos, a longo prazo, em um planeta saudável. Incluir a sustentabilidade no centro das políticas econômicas assim como no planejamento nacional é indispensável para que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 sejam alcançados.

Promover economias verdes, defendendo padrões de consumo e produção mais sustentáveis, sob a perspectiva de análise de ciclo de vida de produtos e serviços, é essencial para uma transformação nas nossas sociedades. Isso significa fazer mais e melhor com menos, dissociar o crescimento econômico da degradação ambiental, promover o uso eficiente de recursos e da energia, criar infraestruturas sustentáveis, facilitar o acesso a serviços básicos e a produtos sustentáveis , promover estilos de vida sustentáveis, e gerar empregos verdes.

Para a ONU Meio Ambiente no Brasil, a área de Eficiência de Recursos é uma prioridade programática, que procura promover uma maior compreensão e implementação de políticas e ações de eficiência de recursos e consumo e produção sustentáveis por parte dos tomadores de decisão públicos e privados, bem como da sociedade civil.

PROGRAMAS E PROJETOS

Produção e Consumo Sustentáveis no Brasil (PCS)

A ONU Meio Ambiente promove diferentes ações de PCS no Brasil. Em cooperação com o Ministério Meio Ambiente, apoia a implementação do Plano de Ação de Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS, por meio da execução de consultorias e estudos técnicos para subsidiar a tomada de decisão e o desenvolvimento de campanhas e atividades de comunica­ção para sensibilização da sociedade brasileira em temas de consumo e produção e sustentáveis.

Compras Públicas Sustentáveis e Rotulagem Ambiental (SPPEL)

As compras públicas são uma grande oportunidade para tomadores de decisão darem o exemplo e liderarem a promoção do desenvolvi­mento sustentável, por meio da incorporação de requisitos de sustentabilidade nos contratos públicos. Enquanto que a rotulagem ambiental fornece informações sobre os produtos, ajudando a determinar sua sustentabilidade e a comunicar essa informação, de forma a guiar as escolhas de consumo na direção de produtos mais sustentáveis. Nesse contexto, a ONU Meio Ambiente e o governo Brasileiro estão implementando, em parceria, a iniciativa Compras Públicas Sustentáveis e Rotu­lagem Ambiental (SPPEL, em sua sigla em inglês), que tem como objetivo unir essas duas ferramentas poderosas e aumentar a demanda e a oferta de produtos sustentáveis no Brasil.

Ecoinovação e Produção e Consumo Sustentável no Setor Privado

O Projeto de Ecoinovação da ONU Meio Ambiente procura desenvolver as capacidades técnicas locais e nacionais visando o fortalecimento de práticas sustentáveis nas pequenas e médias empresas. Por meio de parcerias com  organizações industriais e especialistas do país que prestam assistência técnica a essas empresas, o projeto procura disseminar e implementar a metodologia de Ecoinovação nas estratégias e modelos de negócios das empresas nacionais.

Turismo Sustentável – Passaporte Verde

O turismo oferece a oportunidade de trabalhar a temática da produção e consumo sustentáveis em um contexto em que o indivíduo se encontra mais aberto a novas culturas e comportamentos. O grande fluxo de turistas para e dentro do Brasil torna estratégico esse contato. A ONU Meio Ambiente no Brasil promove a campanha Passaporte Verde desde 2008, levando dicas de turismo sustentável para os consumidores e capacitação para o setor do turismo.

Economia Verde

Na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio +20), a economia verde, no contexto da erradicação da pobreza e desenvolvimento sustentável, foi reconhecida como uma ferramenta para alcançar o desenvolvimento social, econômico e ambiental sustentável. Em sua expressão mais simples, uma economia verde pode ser considerada como aquela de baixo carbono, eficiente em recursos e socialmente inclusiva.