31 Oct 2019 Reportagem Energia

Novos padrões de ar condicionado e refrigeradores para combater as mudanças climáticas

Photo by Shutterstock

A crescente demanda por aparelhos de ar condicionado e geladeiras está ameaçando acelerar o aquecimento global, mas novas diretrizes podem ajudar a reduzir as emissões, estabelecendo claros padrões de desempenho para novos aparelhos.

O novo modelo de diretrizes para aparelhos de ar condicionado e geladeiras fornece um instrumento de leis e políticas, para economias emergentes ou em desenvolvimento, que exige que os novos aparelhos sejam economicamente eficientes e usem refrigerantes com menor potencial de aquecimento global.

Se esforços ambiciosos, conforme as diretrizes, forem conduzidos em toda a África, os impactos anuais até 2030 resultariam em uma economia de 40 terawatt-hora de eletricidade, o equivalente à produção de quase 20 grandes usinas de energia e um custo de US $ 3,5 bilhões em contas de eletricidade, além de uma redução de 28 milhões de toneladas de emissões de CO2.

"Precisamos expandir o acesso ao resfriamento, essencial para muitos aspectos da vida humana e para a consecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável", disse Brian Holuj, da iniciativa United for Efficiency (U4E) do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, e um dos principais autores das diretrizes. “Também precisamos mitigar os impactos ambientais e de energia. As diretrizes justamente aconselham os governos sobre como fazer isso.”

image
Edifícios residenciais em Hong Kong.

Resfriamento em surto de crescimento

O resfriamento é fundamental para a saúde humana, a produtividade, a fabricação, os centros de dados e as pesquisas. Mas o crescimento previsto acelerará as mudanças climáticas, a menos que mudemos nossa abordagem.

As unidades de resfriamento comuns precisam de eletricidade e de um gás refrigerante para operar. Quando a eletricidade provém de usinas de combustível fóssil, o caso de quase 75% da eletricidade em países não pertencentes à OCDE, elas emitem gases de efeito estufa e poluição no ar.

Globalmente, estima-se que 3,6 bilhões de aparelhos de refrigeração estejam em uso hoje, e isso deve aumentar para 9,5 bilhões de aparelhos até 2050. Se refrigeração for fornecida a todos que precisam dela em um mundo em aquecimento, e não apenas aos que atualmente podem pagar por ela, isso exigiria até 14 bilhões de aparelhos de refrigeração até 2050.

O consumo de eletricidade varia muito, mas em alguns mercados não regulamentados, os aparelhos de refrigeração doméstica consomem mais de 1.000 quilowatts-hora de eletricidade (kWh) por ano, enquanto os melhores consomem cerca de um quarto disso.

Padrões mínimas podem fazer a diferença

Padrões mínimos de desempenho energético e rótulos energéticos, se bem projetados e implementados, são abordagens rápidas e eficazes para melhorar a eficiência.

O problema é que, embora dezenas de países tenham padrões mínimos de desempenho energético e rótulos energéticos, em muitos deles os padrões não são aplicados ou estão desatualizados. Normas e rótulos inadequados deixam os países vulneráveis ​​a tornarem-se lixeiras para produtos que não podem ser vendidos em outros lugares.

image

Ao oferecer orientações claras, as diretrizes podem garantir que padrões e rótulos sejam eficazes.

Além do perfil energético, muitos refrigerantes têm um potencial de aquecimento global que é bem mais de 1.000 vezes mais potente que o dióxido de carbono. De acordo com a Emenda Kigali ao Protocolo de Montreal, os países reduzirão gradualmente os refrigerantes de hidrofluorcarbonetos (um dos responsáveis pelo  aquecimento climático) em mais de 80% nos próximos 30 anos. Os efeitos benéficos para o clima são substancialmente ampliados combinando as melhorias em eficiência energética com a redução dos hidrofluorcarbonetos. De acordo com pesquisas recentes, a mudança para as melhores tecnologias de refrigeração disponíveis reduziria as emissões acumuladas de 38 a 60 gigatoneladas de equivalente a CO2 até 2030 e de 130 a 220 gigatoneladas de equivalente a CO2 até 2050.

“Para obter o máximo de benefícios climáticos e de desenvolvimento nesta transição de refrigerantes, precisamos de uma estratégia combinada que vincule a eliminação progressiva de hidrofluorocarbonetos, exigida pela Emenda Kigali, com uma maior eficiência de refrigeração. Isso inclui integrar políticas de melhoria da eficiência de refrigeração em um quadro mais amplo de políticas de energia e de clima, e reforço das contribuições determinadas nacionalmente no Acordo de Paris”, disse Gabrielle Dreyfus, Principal Consultora Científica do Programa de Eficiência em Refrigeração da Kigali. "Esse novo modelo de diretrizes oferece opções políticas comprovadas para a promoção da eficiência energética".

As diretrizes são outro elemento de um movimento global para tornar o resfriamento eficiente e favorável ao clima. A Cool Coalition, uma rede global que conecta mais de 80 parceiros, também trabalha para expandir o acesso ao resfriamento e reduzir o seu impacto no clima. Seus parceiros da indústria e do governo estão comprometendo-se a iniciativas concretas para tornar a indústria de refrigeração parte da solução climática.

Mais de 60 especialistas técnicos de todo o mundo contribuíram para as diretrizes, publicadas pela U4E e de coautoria do Lawrence Berkeley National Laboratory e o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.