03 Oct 2019 Reportagem Ecosystems and Biodiversity

Jovens impulsionam a Década sobre Restauração

Jovens marcam presença em peso no Global Landscape Forum de setembro em Nova York. Eles falaram com paixão sobre a restauração de paisagem, questão crítica para um futuro mais limpo e sustentável, foco da Década das Nações Unidas sobre Restauração de Ecossistemas, 2021-2030.

Em um discurso aos delegados, reunidos na maior plataforma de conhecimento do mundo para paisagens mais resilientes, Alexandria Villasenor, de 14 anos, fundadora da US Youth Climate Strike, disse que o momento é crítico.

Como uma das dezesseis crianças de 12 países, incluindo a ativista climática sueca Greta Thunberg, ela apresentou uma queixa oficial ao Comitê dos Direitos da Criança das Nações Unidas, para incitar medidas.

"A mudança precisa acontecer agora se quisermos evitar as piores consequências", disse ela, observando que a petição cita a falta de ação dos governos sobre a crise climática, o que pode constituir uma violação dos direitos da criança.

Quando crianças experimentam inundações e incêndios que ameaçam suas vidas, seus direitos estão também ameaçados, disse ela. Sua visão inclui um mundo em que "os seres humanos vivam em harmonia" com a Terra, para um futuro de neutralidade de emissões.

Mas o atual sistema político não foi construído para lidar com os desafios de hoje. Ela lembrou aos delegados dos 315.000 estudantes que fecharam o distrito financeiro para exigir ações mais urgentes entre os banqueiros.

Ao longo do dia, jovens e ativistas pediram uma mudança de paradigma e reforma em todos os setores - na agricultura, na conservação, em mercados financeiros e carreiras, e muito mais - para conseguirmos enfrentar a crise climática.

Charlee McLean, estagiária de meio ambiente da Sociedade Te Ipukarea das Ilhas Cook do Pacífico, em um discurso em vídeo aos delegados, fez um apelo por um retorno a uma "melhor harmonia com a natureza". “Para que procurar por mais, quando a natureza já nos fornece tudo o que precisamos?” Disse ela.

A capacidade de fornecimento da natureza foi ecoada pelo ex-empresário de tecnologia, hoje agricultor, Chris Newman, co-fundador da Sylvanaqua Farms. Os jovens de hoje "se defrontam com a realidade do que é a agricultura", disse ele, observando que os jovens acham que a agricultura hoje é para pessoas “loucas" ou incrivelmente privilegiadas.

Os agricultores dedicam as mesmas horas e esforço que os empreendedores do Vale do Silício, mas sem o salário. Isso precisa mudar para que mais jovens possam viver da terra "sem assustar nossas famílias".

Ele pediu treinamento urgente, capital, acesso à terra e melhores mercados para tornar a agricultura restaurativa uma opção viável, oferecendo mais dinheiro aos agricultores. Mas "os investidores não financiarão projetos de longo prazo, de dois a três anos, necessários para a agricultura restauradora", alertou.

"Os retornos não combinam com o capitalismo", disse ele, acrescentando que os alimentos produzidos através de práticas agrícolas "extrativas" superam os alimentos produzidos em sistemas "regenerativos" em uma proporção de 400 para um no mercado - um modelo insustentável.

"Fourteen-year-old Alexandria Villasenor, Founder of US Youth Climate Strike speaking at the Global Landscape Forum. Photo by UN Environment / Georgina Smith"

A Jovem Campeã da Terra para a Ásia e o Pacífico do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Louise Mabulo, reiterou a necessidade de retornar às soluções comunitárias para a agricultura sustentável, não apenas na Ásia, mas globalmente.

"As mudanças climáticas estão afetando a segurança alimentar, e os agricultores são um dos grupos mais vulneráveis ​​das Filipinas", disse ela. "Precisamos mudar nossas paisagens, integrando práticas adequadas e sustentáveis ​​à agricultura", disse ela, começando com educação para os agricultores.

Molly Burhans, 30 anos, Jovem Campeã da Terra para a América do Norte, enfatizou que também há uma dimensão moral na proteção dos ecossistemas a longo prazo.

“A paisagem é realmente um multiplicador de todos os outros Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ao restaurar nossas paisagens, estamos oferecendo novos caminhos para o desenvolvimento econômico, a saúde e o bem-estar das comunidades”.

“A presença dos jovens tem uma urgência especial nesta reunião, e na próxima Década sobre Restauração, porque a paisagem é um investimento de longo prazo. Estes não são projetos de recuperação rápida…”

“As árvores que plantamos hoje serão grandes quando os jovens da reunião forem idosos. As paisagens são uma visão de longo prazo. Por causa disso, os jovens têm um papel especial a desempenhar como defensores e mantenedores dos projetos implementados como parte da Década sobre Restauração”.

Embora o assunto seja urgente, houve também otimismo. Felix Finkbeiner, fundador da Plant for the Planet, de 21 anos, disse: “Eu sempre fui meio pessimista sobre o que os jovens poderiam alcançar [...]. Eu assumi que a mudança climática era uma questão muito complexa para realmente mobilizar milhões e bilhões de jovens em todo o mundo. Mas no ano passado minha opinião sobre isso mudou totalmente. Estou muito mais entusiasmado e muito mais positivo com o que os jovens podem alcançar”, afirmou ele.

“Acho que o que nossa geração precisa melhorar muito é não apenas falar sobre a questão da crise climática, mas também enfatizar as soluções. Entender que a mudança climática é um problema solucionável e, obviamente, soluções baseadas na natureza são as mais importantes. Além disso, espero que nossa geração possa contribuir com nossa alfabetização tecnológica”.

Falando durante uma discussão para jovens na hora do almoço, Tim Christophersen, Coordenador da Década das Nações Unidas sobre Restauração de Ecossistemas 2021-2030 do PNUMA, ecoou o otimismo de que é possível reflorestar o planeta.

"Esta é a sua década e suas ações serão muito importantes para fazer disso um sucesso", disse ele. Ainda é possível transformar esse momento de crise em um momento de esperança. "Um pouco como em Star Wars", disse ele. "Que a floresta esteja com você!"

O Prêmio Jovens Campeões da Terra, desenvolvido pela Covestro, é a principal iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente para envolver os jovens na luta contra os desafios ambientais mais prementes do mundo. Burhans é um dos sete vencedores anunciados este ano. Fique atento para inscrever-se em janeiro.