17 Sep 2019 Reportagem Água

Energia solar garante água potável no Brasil

A jovem brasileira Anna Luisa Santos, de 21 anos, sempre quis ser cientista. Do sabonete líquido ao xampu de cabelo, nenhum item doméstico escapou de se tornar o próximo experimento científico. 

"Eu costumava brincar com meus primos, tentando fazer compostos químicos a partir de qualquer líquido que encontrássemos, sempre misturando e fingindo ser uma cientista profissional", relembra.

Porém, as coisas ficaram sérias. Foi durante uma viagem por regiões semiáridas do Brasil que ela percebeu o poder que a ciência tem para mudar vidas. Agora, Anna Luisa tem um sonho diferente: usar sua habilidade científica para inventar novas tecnologias em benefício de comunidades carentes.

Ela faz isso viabilizando o acesso à água potável segura. "É um direito básico que todos tenham água limpa para beber", afirma. "Mas no semiárido do nordeste brasileiro, a escassez de água é um problema”.

"Essas comunidades rurais precisam armazenar água durante a época de chuvas para que não precisem caminhar longas distâncias nas estações mais secas. Às vezes, a água fica infectada com transmissores de doenças e frequentemente não está limpa", explica.

As doenças diarreicas estão entre as principais causas de morte em todo o mundo, e estão diretamente ligadas à falta de água potável e à falta de saneamento e acesso à higiene. Esse problema atinge principalmente populações jovens, vulneráveis ou que vivem em zonas rurais remotas.

From a young age, Beserra wanted to be a scientist
From a young age, Beserra wanted to be a scientist. Photo by UN Environment Programme

Aqualuz, a inovação tecnológica de Anna Luisa, é um filtro que purifica a água da chuva coletada por cisternas instaladas em áreas rurais, onde a água filtrada não é acessível. Essa realidade afeta mais de um milhão de pessoas no Brasil. A água da cisterna é purificada por meio de raios solares e um indicador muda de cor quando o recurso está seguro para o consumo.

"Conversei com pessoas em comunidades locais que relataram várias doenças em suas famílias, provavelmente ligadas à falta de acesso à água potável. Eu queria muito fazer algo para ajudar a resolver este problema”.

"Comecei a pesquisar e encontrei um método de desinfecção da água usando a radiação solar para eliminar transmissores de doenças. Junto à comunidade, testamos e criamos um produto que eles poderiam usar e que fosse eficiente e durável”.

O resultado foi o dispositivo Aqualuz, que vem sendo a única ocupação de Anna Luisa. Desde que se formou, a jovem tem trabalhando incansavelmente para aperfeiçoar a ideia, que agora está em fase final de desenvolvimento. 

Beserra’s solution delivers safe water to communities using solar energy
Beserra’s solution delivers safe water to communities using solar energy. Photo by UN Environment Programme

Sua invenção é de baixo custo, de fácil manutenção e pode durar até 20 anos. Embora atualmente esteja sendo testada no Brasil, tem potencial para aplicação em outros países.

O Aqualuz já forneceu água potável para mais de 265 pessoas e Anna Luisa e sua equipe estão negociando com empresas fornecedoras de cisternas para alcançar mais 700 pessoas até o final de 2019.

Inspirada por sua avó, que possui mais de cinco graduações e continua estudando, a jovem diz que espera aliar as qualidades da mãe enfermeira com as capacidades empreendedoras do pai.

"Herdei a criatividade do meu pai e a inspiração social da minha mãe. Acho que a minha paixão pelo meio ambiente e pela ciência vieram da minha avó. Creio que tenho uma rica herança cultural!".

Aqualuz is tested together with local communities
Aqualuz is tested together with local communities. Photo by UN Environment Programme

"Estou fazendo algo que espero que possa melhorar a vida das pessoas e salvar vidas. Minha visão é alcançar mais de um milhão de famílias no Brasil. Todos merecem beber água potável". 

Para Lis Mullin Bernhardt, especialista em água doce do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, "com o aumento da competição e do estresse hídrico em muitas partes do mundo devido ao consumo excessivo e às mudanças climáticas, é essencial encontrarmos maneiras inovadoras para uma de nossas necessidades mais básicas: beber água. Tecnologias como essa são um ótimo exemplo de solução para este problema”.

O Prêmio Jovens Campeões da Terra, promovido pela Covestro, é a principal iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente para engajar os jovens a enfrentar os principais desafios ambientais do nosso tempo. Anna Luisa Santos é uma das sete vencedoras anunciadas este ano!